GNV

O proprietário de veículos automotores que pretende alterar o combustível de seu automóvel a álcool ou a gasolina para o gás natural veicular (GNV) deve ficar atento às informações que disponibilizamos a seguir.

O processo é realizado nos Detrans de todo o país. No caso do estado do Rio de Janeiro, é feito no Detran-RJ. Para que seja efetivado, é necessário que a documentação do veículo seja alterada na Base de Dados do Detran-RJ, a fim de que seja emitido o Certificado de Registro de Veículo (CRV).

Vantagens e desvantagens de trocar o combustível do seu carro para o GNV

São inúmeras as vantagens e desvantagens de fazer a conversão. Muitas delas estão relacionadas diretamente com o equipamento em si, isto é, peças do motor etc.

Entretanto, duas das principais vantagens estão em que o GNV é um combustível mais limpo ambientalmente falando. O gás natural veicular polui menos e é mais econômico caso o motorista utilize o veículo com muita frequência.

Quanto às desvantagens, também podemos citar duas das principais. O GNV reduz a potência do motor em 20%, bem como o tamanho do porta-malas do veículo em razão do kit gás.

Assim, o motorista que quiser fazer a conversão deve pesquisar antes para ver se vale a pena o gasto com a instalação do kit gás. Em valores de 2018, a instalação ficava em torno de R$ 3 a 3,5 mil. Além disso, deve procurar oficinas autorizadas pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) para fazer o serviço, conforme consta no site do Detran-RJ.

Quem pode e deve fazer a alteração para o GNV

Qualquer proprietário de veículos automotores pode aderir ao GNV. Contudo, a maior vantagem fica com os que percorrem grandes distâncias com seus veículos. isso serve, por exemplo a taxistas, motoristas de aplicativo, de vans, caminhonetes ou os que usam o carro frequentemente no dia a dia.

Lembre-se que o kit gás ocupará grande parte do porta-malas do carro. Assim, caso necessite desse espaço no veículo, isso deverá ser levado em conta.

Verdades e mentiras sobre o GNV

O GNV para uso em veículos leves teve sua liberação no final dos anos 1990, depois que os kits de conversão passaram pelo Inmetro e foram padronizados. É um combustível de origem fóssil e gasoso.

Como produz uma queima mais limpa, polui menos, o que, ambientalmente, é muito mais vantajoso, principalmente nas grandes cidades.

Por seu uso ser relativamente recente, ainda há muitas dúvidas em torno de seu emprego. Quais são as verdades e as mentiras para sua utilização? Fizemos uma pesquisa e podemos listar algumas:

  • O fato de que o GNV é sempre mais barato. Isso não é verdade, pois vai depender do estado onde você mora, do tempo que utiliza o veículo, dos valores da gasolina e do álcool no próprio estado etc. Ou seja, voltamos ao ponto em que dissemos que é preciso pesar os prós e os contras sobre fazer a conversão.
  • O motor do carro perde potência com o uso do gás. Isso é verdade, pois o motor pode perder até 20% de potência, como já dito.
  • O kit gás deve ser instalado somente por empresas credenciadas pelo Inmetro e depois registrado no Detran do estado em que o proprietário tem o cadastro do veículo. Isso é verdade. Sem isso, seu veículo não estará em conformidade com a lei.
  • O carro pode explodir por causa do GNV. Isso não é verdade. Para que não haja risco de acidente, é preciso que a instalação siga as normas e seja feita por empresas credenciadas. Do mesmo modo, é preciso fazer sempre a manutenção do kit gás. Mas qualquer veículo, mesmo com combustível comum, como gasolina ou etanol, precisa submeter-se a manutenção periódica para a segurança dos passageiros.

Documentação exigida para a alteração de combustível

É preciso ficar atento aos documentos exigidos para que seja iniciado o processo de alteração da Base de Dados do Detran-RJ. Há dois tipos: a documentação-padrão e a documentação específica.

Para a documentação-padrão, o usuário deve consultar o link do Anexo II no site do Detran-RJ. São quatro páginas que podem ser impressas.

Já a documentação específica está listada a seguir:

  • Duda (Código 002-7), no valor de R$ 144,68, que deve ser pago somente no CPF ou CNPJ do proprietário do veículo. O boleto para a emissão de pagamento pode ser retirado no site do Detran-RJ. O link remeterá o usuário ao site do banco, no qual ele poderá fazer a impressão;
  • Certificado de Registro de Veículo (CRV);
  • Nota fiscal da peça (1ª via) ou qualquer outra via autenticada por fiscal de rendas;
  • Nota fiscal do serviço de instalação (1ª via) ou qualquer outra via autenticada por fiscal de rendas;
  • Nota fiscal do serviço de inspeção (2ª via), emitida pelo organismo de inspeção credenciado, apenas para inclusão do combustível GNV. O original da terceira via da nota fiscal poderá ser aceito.

Uma observação importante: depois de instalado o kit gás por uma das oficinas credenciadas pelo Inmetro, o veículo precisa ser vistoriado. A vistoria gerará um laudo, e só então será emitido o documento do veículo.

Conversão para o gás natural veicular

No site do Detran-RJ, você poderá encontrar outras informações importantes referentes à conversão de seu veículo para o GNV. Entre elas está a que menciona a retirada e reinstalação do kit gás.

O proprietário deverá levar a documentação específica mencionada. Um ponto a ser considerado é que a alteração do combustível só será realizada no mesmo veículo em que já foi feita antes.

Saiba que os procedimentos para quem irá solicitar a conversão podem variar de acordo com o parentesco com o proprietário do veículo. Os proprietários de veículo, seus cônjuges, companheiro(a)s, ascendentes ou descendentes diretos até o primeiro grau, sendo maiores de 18 anos de idade precisam pagar as taxas e multas pendentes, agendar o serviço e realizar a vistoria.

Os advogados, procuradores ou representantes de órgãos públicos e de entidades credenciadas também podem realizar a solicitação. Para isso basta, cumprir com os requisitos mencionados anteriormente, mas se dirigir à Divisão de Atendimento aos Despachantes na sede do Detran-RJ na Av. Presidente Vargas, 817, no Centro.

A diferença desses procedimentos se dá para cada solicitante devido a necessidade de comprovação com documentos. O agendamento do serviço pode ser feito por telefone, ou pelo site oficial do departamento estadual. No momento, basta identificar-se como proprietário do veículo ou advogado, procurador ou representante de entidade credenciada ou do órgão público proprietário do veículo.

Uma última observação importante: a documentação gerada depois de instalado o kit gás e feita a vistoria só pode ser entregue ao representante que solicitou o serviço de conversão ao GNV. Lembre-se que ter toda a documentação e taxas em dia é necessário para realizar o licenciamento obrigatório do veículo.